Contradição? Maior parque eólico flutuante do mundo é inaugurado na Noruega para abastecer plataformas de petróleo e gás

Greenpeace aponta lucros recordes na Equinor, empresa responsável pelo projeto, enquanto investimentos em energia renovável ainda são baixos

Parque eólico offshore Hywind Tampen, na Noruega — Foto: Ole Jørgen Bratland/Equinor

O maior parque eólico flutuante do mundo foi oficialmente inaugurado nas águas da Noruega na última quarta-feira (23). Mas o que seria uma notícia animadora para ambientalistas pode ganhar sabor agridoce para muitos ao saber qual será a finalidade do projeto: abastecer de eletricidade cinco plataformas offshore de petróleo e gás que funcionam na região.

O parque, chamado Hywind Tampen, é obra da Equinor, empresa norueguesa do setor de petróleo e gás. Serão 11 turbinas e 88 megawatts (MW) de capacidade, que cobrirão 35% da energia necessária para alimentar as plataformas da empresa e também de OMV e Vaar, outras petrolíferas parceiras da Equinor no projeto.

O uso da energia eólica reduzirá as emissões de CO2 das plataformas em cerca de 200 mil toneladas por ano, segundo a Euronews. Este valor representa 0,4% do total de emissões do gás da Noruega em 2022. O país espera gerar 30 gigawatts (GW) de energia eólica offshore até 2040, o que duplicaria a atual produção de energia do país.

O projeto da Equinor tem uma novidade em relação a outros de energia eólica offshore, que costumam ser fixadas no leito oceânico: as turbinas estarão fixadas numa base flutuante – que, por sua vez, estará ancorada ao fundo do mar. Segundo especialistas do setor consultados pela Euronews, tal tecnologia é mais adequada para utilização em águas mais profundas ao longo da costa.

Notícia publicada originalmente em: https://umsoplaneta.globo.com/energia/noticia/2023/08/28/contradicao-maior-parque-eolico-flutuante-do-mundo-e-inaugurado-na-noruega-para-abastecer-plataformas-de-petroleo-e-gas.ghtml

Os comentários estão encerrados.