Abaixo-assinado contra usinas nucleares à beira do rio São​ ​Francisco

 

A Conexão Virtual Antinuclear lançou na sexta-feira (03/07) um abaixo-assinado com o objetivo de pressionar os Deputados Estaduais de Pernambuco a votarem contra a Proposta de Emenda à Constituição nº 9/2019, que altera o artigo 216 da Constituição do Estado de Pernambuco de modo a passar a permitir a instalação de usinas nucleares no mesmo.

O risco se deve à intenção do governo federal em retomar a construção desse tipo de usinas pelo país, que hoje responde por apenas 1,15% da capacidade instalada da matriz elétrica nacional e cuja participação (1.990 MW) já foi ultrapassada até mesmo pela solar fotovoltaica, cujas usinas centralizadas já respondem por 1,7% da matriz elétrica com seus 2.927 MW instalados e que mostram que a fonte nuclear pode ser substituída por outras fontes mais seguras.

A Frente por uma Nova Política Energética para o Brasil apóia e conclama as pessoas a assinarem este abaixo-assinado e ajudarem a manter o Brasil livre do aumento desse risco, o que hoje é totalmente desnecessário. Confira abaixo o texto, assine e divulgue.

Somos contra usinas nucleares à beira do rio São​ ​Francisco

Esta petição, lançada pela Conexão Virtual Antinuclear, conclama os deputados estaduais de Pernambuco a rejeitarem a Proposta de Emenda Constitucional – PEC , em discussão na Assembleia Legislativa Estadual, pelas razões abaixo indicadas.

Para a felicidade dos moradores de Itacuruba, dos pernambucanos e de todos os brasileiros, os Constituintes de Pernambuco tiveram a sabedoria de escrever na Constituição do seu Estado:  “Fica proibida a instalação de usinas nucleares no território do Estado de Pernambuco enquanto não se esgotar toda a capacidade de produzir energia hidrelétrica e oriunda de outras fontes”.

Mas os interesses que estão por detrás da construção dessas “chaleiras atômicas”, como devem ser chamadas as usinas nucleares, decidiram construir uma central nuclear, com seis reatores, na cidade de Itacuruba, na margem esquerda do rio São Francisco. E querem, para que isso se torne legalmente possível, mudar esse artigo da Constituição do Estado.

Um deputado estadual a serviço desses interesses apresentou então à Assembleia Legislativa Estadual uma Proposta de Emenda Constitucional – PEC, com esse objetivo.

Mas a população do Município de Itacuraba – os moradores da cidade, de varias aldeias indígenas e de quilombos – que seria a mais diretamente afetada se esse monstro atômico fosse construído em seu território, há anos se levantou contra um tal projeto.

E segue resistindo, apesar de continuamente pressionada pelas promessas mirabolantes e mentirosas dos agentes do lobby nuclear, que lhe escondem que em todo o mundo esse modo de produzir eletricidade está sendo abandonado por ser muito caro (exige muitas condições e equipamentos de segurança), por produzir um lixo muito sujo (altamente radioativo) e por ser extremamente perigoso (quando escapa e se espalha, a radioatividade mata durante séculos).

O povo de Itacuruba sabe que a própria construção do monstro já destruirá suas moradias, suas vidas e seus lugares sagrados e que ele poderá, desde o momento em que começar a funcionar, vitimá-lo com vazamentos da radioatividade de seu combustível.

E que se esses acidentes forem mais graves todo o território em torno da chaleira será interditado à presença humana por centenas de anos.

Ele sabe também que, se o rio São Francisco for contaminado por partículas radioativas disseminadas nesses acidentes, ele se tornará um rio morto, que não poderá mais irrigar terras nem fornecer peixes para consumo humano porque se tornarão radioativos.

Ele sabe igualmente que ficará sob a ameaça permanente de catástrofes sociais e ambientais como as de Chernobyl e Fukushima, que tem um dia para acontecer mas nunca para acabar porque a radioatividade, uma vez liberada pelas chaleiras, praticamente nunca desaparece. E pode chegar a muitas cidades em torno de Itacuruba e no resto do Estado e do Brasil, se os ventos, que não podem ser controlados, assim o desejarem.

Por tudo isso nós que assinamos esta petição somos contra a PEC em discussão na Assembleia Legislativa de Pernambuco, que pretende autorizar a construção de usinas nucleares nesse Estado. E esperamos que os deputados estaduais sigam o exemplo de responsabilidade dado pelos Constituintes Estaduais quando proibiram essas usinas em Pernambuco.

ASSINE AQUI!